segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

LIBRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

EM 2016 TIVE O PRAZER DE TRABALHAR COM LIBRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL ... A EXPERIÊNCIA FOI DESAFIADORA, ENTREI NA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINAS EM ABRIL, FOI ME DADO UM ALUNO COM 3 ANINHOS DE IDADE QUE SABIA NO MÁXIMO 5 SINAIS DE LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) COM SIGNIFICADO. EM DEZEMBRO ELE JÁ SINALIZAVA MAIS DE 45 SINAIS COM SIGNIFICADO!!!
ACREDITO QUE COMO TODO PROFESSOR  QUANDO ASSUMI ESTA RESPONSABILIDADE "O FRIO NA BARRIGA" FOI INEVITÁVEL. E SABE O QUE MAIS ME PREOCUPA NA EDUCAÇÃO DE SURDOS??? NÃO EXISTEM MATERIAIS ESPECÍFICOS PARA NORTEAR O TRABALHO DO PROFESSOR BILÍNGUE. ENTENDO QUE CADA ALUNO É UM ALUNO. MAS E AÍ ??? CHEGAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FAZER O QUE PRA ESSE ALUNO APRENDER, ENSINAR O QUE, ENSINAR SÓ PRA ELE OU PRA TODAS AS CRIANÇAS, E ELAS VÃO APRENDER, COMO VOU ENSINAR, QUE ESTRATÉGIAS VOU USAR ??? FOI EXATAMENTE PARA TENTAR RESPONDER ESSES QUESTIONAMENTOS E CONTAR UM POUCO DA MINHA EXPERIÊNCIA QUE RESOLVI ESCREVER ESSE POST.
EU TRABALHEI EM PARCERIA COM A PROFESSORA DA SALA E COM UMA ESCOLA INTEIRA, DO MATERNAL AO AGRUPAMENTO III (CRIANÇAS DE UMA ANO E MEIO A 5/6 ANOS DE IDADE) A ESCOLA INTEIRA APRENDEU LIBRAS, PELO MENOS UM SINALZINHO APRENDEU... RSRSRS 
VAMOS AS DICAS: 
  • EU SÓ CONVERSAVA COM MEU ALUNO SURDO USANDO LIBRAS O TEMPO TODOOOOO PARA ELE SE FAMILIARIZAR COM A LÍNGUA E COMEÇAR A ENTENDER OS SIGNIFICADOS DA LÍNGUA;
  • CONVIDEI A MÃE PARA FAZER AULA DE LIBRAS COMIGO NOS MEUS HORÁRIOS DE ATENDIMENTO AOS PAIS UMA VEZ POR SEMANA 1/2 HORA DE ATENDIMENTO PARA EU GANHAR A CONFIANÇA DELA;
  • INCENTIVAVA A MÃE A USAR LIBRAS COM O FILHO NAS COMUNICAÇÕES DO DIA A DIA;
  • NA SALA DE AULA TINHA O ALFABETO EM LIBRAS IMPRESSO NO VARAL DE ATIVIDADES EM DESTAQUE;
  • A ROTINA FOI FOTOGRAFADA COM AS PRÓPRIAS CRIANÇAS SINALIZANDO O QUE SIGNIFICAVA CADA AÇÃO (CRIANÇAS SURDAS E OUVINTES), ENTÃO ANTES DA REALIZAÇÃO DE CADA ATIVIDADE SENTÁVAMOS EM RODA E MOSTRÁVAMOS O CARTÃO DA AÇÃO PARA A TURMA TODA E SINALIZÁVAMOS;
  • TANTO AS CRIANÇAS COMO A PROFESSORA DA SALA DE AULA E OS MONITORES TINHAM AULAS DE LIBRAS JUNTO COM OS ALUNOS;
  • EU DAVA AULA DE LIBRAS 15 MINUTOS POR SEMANA PARA TODAS AS TURMAS DA ESCOLA COM TEMAS INFANTIS CLARO;
  • CADA AULA DE LIBRAS DIFERENTES MATERIAIS ERAM CONFECCIONADOS E LEVADOS PARA TRABALHAR COM A TURMA;
  • O RESULTADO DE TUDO ISSO, NUCA FUI TÃO REALIZADA PROFISSIONALMENTE AO VER UMA ESCOLA INTEIRINHAAAA USANDO LIBRAS NO DIA A DIA DE UM ALUNO SURDO, TODOS SE ESFORÇARAM MUITO E PELO MENOS UM SINAL APRENDERAM, NO FINAL  ENCERRAMOS O PROJETO COM VÁRIAS MÚSICAS INFANTIS CANTADAS EM PORTUGUÊS E CANTADAS EM LIBRAS PELAS PRÓPRIAS CRIANÇAS, NÃO ERA UM CORAL DE LIBRAS, ERA O PORTUGUÊS SINALIZADO SIM, FOI A MANEIRA QUE TODOS CONSEGUIAM APRENDER O SINAL DE GATO, CACHORRO, GRANDE, PEQUENO, ETC.. ERA A PARTICIPAÇÃO DE TODOS OS ALUNOS EM UMA ATIVIDADE NORMAL, CORRIQUEIRA DENTRO DAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL QUE PRECISOU SER ESTUDADA E ADAPTADA PARA QUE A CRIANÇA SURDA NÃO FOSSE EXCLUÍDA DO PROCESSO EDUCACIONAL.
VOU POSTAR ALGUMAS FOTOS, ALGUMAS IDEIAS, ESPERO QUE OS AJUDEM NO ANO DE 2017. CASO TENHAM DÚVIDAS, MEU E-MAIL PERMANECE ABERTO PARA TROCA DE EXPERIÊNCIAS: raquelfernandes.interlibras@gmail.com 
FORTE ABRAÇO, PROFESSORA BILÍNGUE RAQUEL FERNANDES MAGALHÃES
AUTONOMIA GUARDANDO O CASACO NA MOCHILA  

FECHANDO O ZÍPER SOZINHO

IDENTIFICANDO O SINAL DO ANIMAL, NO CASO O GATO QUE ELE AMA

OBSERVEM A FICHA, IMAGEM, SINAL E ESCRITA EM PORTUGUÊS 

JOGO DA MEMÓRIA EM LIBRAS COM FOTOS DOS PRÓPRIOS AMIGOS SINALIZANDO

A HORA DE APRENDER LIBRAS NA RODA

ENSINANDO O SINAL DE TARTARUGA 

OS PROFESSORES E MONITORES APRENDEM JUNTOS 


UTILIZAR O CONCRETO, QUE POSSA SER MANUSEADO 

HISTÓRIA EM 3D


RELÓGIO DOS ANIMAIS DENTRO DE CADA CAIXA DE FÓSFORO O SINAL DE UM ANIMAL 

ANIMAIS COM CAIXA DE LEITE E QUAL O SINAL ??

ESSA NEM PRECISA LEGENDAS ...

IDENTIFICAÇÃO DO PRÓPRIO NOME A LETRA INICIAL EM LIBRAS CRACHÁS 

ENCERRAMENTO DO ANO LETIVO BANNER APRESENTANDO O PROJETO PARA A REDE MUNICIPAL DE ENSINO PROF. RAQUEL FERNANDES MAGALHÃES 


MODELO DE CRACHÁ EM LIBRAS E LETRA INICIAL, FICHA  IMANTADA 

MODELO DE ROTINA EM LIBRAS PARA EDUCAÇÃO INFANTIL BILÍNGUE

quarta-feira, 2 de março de 2016

Informática em Libras

Mais uma dica muita bacana !!!
Sinais de Informática em Libras, visitem o Link e curtam...
Este conteúdo vai ajudar muito professores e alunos
Vamos conferir
https://www.youtube.com/watch?time_continue=10&v=N2-SEMm_VO0

sábado, 27 de fevereiro de 2016

Congresso nacional de Programação Neurolinguística

Foi pesquisando à respeito de Neurolingística na Internet que me deparei com este congresso e um presente foi esta entrevista com o "Gigante de 90CM".
Infelizmente ela é apenas em inglês, não sei se existe duplada ou Traduzida para o Português, mas vale a pena conferir !!!
Fica a dica para o final de semana ....


http://www2.conapnl.com.br/conapnl-sean-stephenson


sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Sinais Escolares em Libras

Segue a Apostila disponível no Link abaixo de Hélio Fonseca e Rejane, basta clicar no link e aproveitar este presente destes profissionais maravilhosos que merecem meu respeito.


http://pt.scribd.com/doc/90653212/L-I-B-R-A-S-Contexto-Escolar

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

OS DESAFIOS DA LINGUAGEM ESCRITA POR ALUNOS SURDOS

http://revistaescola.abril.com.br/formacao/maria-cristina-pereira-fala-aprendizagem-lingua-portuguesa-criancas-surdas-612889.shtml?page=2

ESTA É UMA SUPER CONTRIBUIÇÃO DA REVISTA ESCOLA PARA OS PROFESSORES QUE TEM ALUNOS SURDOS EM SALA DE AULA.
O TEXTO É LONGO MAS VALE MUITO A PENA LER !!!

Maria Cristina da Cunha Pereira fala sobre o ensino de Língua Portuguesa para surdos

A linguista da Derdic e professora da PUC de São Paulo trata dos desafios do aprendizado da linguagem escrita por alunos surdos

E como se dá o processo de aquisição da língua escrita pelas crianças surdas?
Maria Cristina Os surdos criam hipóteses de escrita, assim como os ouvintes. As primeiras hipóteses são muito parecidas. As crianças ouvintes começam a escrever usando as letras do nome próprio. As surdas, também. Só que as hipóteses dos surdos são visuais e não auditivas. E aqui está um sério problema para nós, pesquisadores, para convencer os linguistas e os educadores de não cair na armadilha da oralização. As crianças surdas, assim como as ouvintes, vão chegar à escrita alfabética, mas a sua relação com a escrita se dará por meio da visão. O processo é muito mais demorado do que com os ouvintes porque elas estão entrando em contato com a Língua Portuguesa pela primeira vez.

O professor deve usar textos facilitados com esses alunos?
Maria Cristina De jeito nenhum. Na década de 70, quando o ensino dos surdos priorizava a oralidade havia o costume de facilitar os textos para as crianças surdas, usando estruturas sintáticas simples, com orações sempre curtas e diretas. E simplificando também o vocabulário. A facilitação acabou limitando a possibilidade de leitura, de uso social da língua, tornando os surdos incapazes de ler textos reais. Facilitar sempre pressupõe o outro como incapaz. E a surdez não torna o sujeito incapaz de ler e escrever. É a Educação que possibilita ou não o acesso às práticas sociais de leitura e de escrita.

Como o professor deve trabalhar conteúdos que estão vinculados à fala? A acentuação, por exemplo?
Maria Cristina Tudo por meio da visão. O que é muito complicado trabalhar pela visão é a sílaba tônica de uma palavra. A língua de sinais não tem acento. Os surdos acabam aprendendo a acentuar as palavras pelo visual, pelo desenho da palavra e não, obviamente, pela sonoridade. Mas aprendem. Principalmente os que lêem muito.
Por que não se deve forçar a fala numa criança que não escuta?
Maria Cristina da Cunha Pereira Sou pesquisadora, portanto falo sempre do ponto de vista de um teórico. Se a criança surda tem uma limitação na audição, por que é que vou usar exatamente o que ela tem de dificuldade para que ela adquira linguagem? Por que é que eu vou forçar a audição e a fala numa pessoa que não escuta? Acredito que as famílias devem deixar seus filhos surdos terem contato com a língua de sinais. É por meio dessa língua que eles terão acesso ao conhecimento. Há um mito de que as crianças surdas que aprendem Libras ficam preguiçosas e não se esforçam para falar. Ter preguiça é uma prerrogativa de quem pode escolher. Não é por preguiça que os surdos não falam, mas sim porque têm dificuldade. Assim, ou aprendem a língua de sinais ou não se comunicam. É necessidade e não preguiça.

A família também deve aprender Libras?
Maria Cristina Sim. O melhor é que os pais também aprendam a língua de sinais porque é na interação com a família que os filhos vão se desenvolver, adquirir valores, cultura etc. Ter uma língua em comum é importante não apenas do ponto de vista da comunicação, mas também para o desenvolvimento intelectual, afetivo, emocional da criança. O ideal é que os pais enfrentem esse desafio, aprendam Libras e que as crianças aprendam a língua de sinais e também sejam expostas à Língua Portuguesa escrita.

Com que idade uma criança consegue aprender a língua de sinais?
Maria Cristina Vou responder com uma pergunta: uma mãe começa a falar com seu filho quando ele tem que idade? Desde antes de nascer, não é? Então, o ideal seria que, assim que a criança nascesse e fosse constatado que ela é surda, iniciasse a aquisição da língua de sinais. Quanto mais cedo, melhor. E, assim como acontece com a Língua Portuguesa em relação aos ouvintes, a língua de sinais deve ser ensinada como disciplina ao longo de toda a Educação Básica. Na rede municipal de São Paulo, por exemplo, elaboramos um currículo para alunos surdos com expectativas de aprendizagem em Libras que vão da Educação Infantil ao 9º ano do Ensino Fundamental. 
Por que não se deve forçar a fala numa criança que não escuta?
Maria Cristina da Cunha Pereira Sou pesquisadora, portanto falo sempre do ponto de vista de um teórico. Se a criança surda tem uma limitação na audição, por que é que vou usar exatamente o que ela tem de dificuldade para que ela adquira linguagem? Por que é que eu vou forçar a audição e a fala numa pessoa que não escuta? Acredito que as famílias devem deixar seus filhos surdos terem contato com a língua de sinais. É por meio dessa língua que eles terão acesso ao conhecimento. Há um mito de que as crianças surdas que aprendem Libras ficam preguiçosas e não se esforçam para falar. Ter preguiça é uma prerrogativa de quem pode escolher. Não é por preguiça que os surdos não falam, mas sim porque têm dificuldade. Assim, ou aprendem a língua de sinais ou não se comunicam. É necessidade e não preguiça.

A família também deve aprender Libras?
Maria Cristina Sim. O melhor é que os pais também aprendam a língua de sinais porque é na interação com a família que os filhos vão se desenvolver, adquirir valores, cultura etc. Ter uma língua em comum é importante não apenas do ponto de vista da comunicação, mas também para o desenvolvimento intelectual, afetivo, emocional da criança. O ideal é que os pais enfrentem esse desafio, aprendam Libras e que as crianças aprendam a língua de sinais e também sejam expostas à Língua Portuguesa escrita.

Com que idade uma criança consegue aprender a língua de sinais?
Maria Cristina Vou responder com uma pergunta: uma mãe começa a falar com seu filho quando ele tem que idade? Desde antes de nascer, não é? Então, o ideal seria que, assim que a criança nascesse e fosse constatado que ela é surda, iniciasse a aquisição da língua de sinais. Quanto mais cedo, melhor. E, assim como acontece com a Língua Portuguesa em relação aos ouvintes, a língua de sinais deve ser ensinada como disciplina ao longo de toda a Educação Básica. Na rede municipal de São Paulo, por exemplo, elaboramos um currículo para alunos surdos com expectativas de aprendizagem em Libras que vão da Educação Infantil ao 9º ano do Ensino Fundamental.Por que não se deve forçar a fala numa criança que não escuta?
Maria Cristina da Cunha Pereira Sou pesquisadora, portanto falo sempre do ponto de vista de um teórico. Se a criança surda tem uma limitação na audição, por que é que vou usar exatamente o que ela tem de dificuldade para que ela adquira linguagem? Por que é que eu vou forçar a audição e a fala numa pessoa que não escuta? Acredito que as famílias devem deixar seus filhos surdos terem contato com a língua de sinais. É por meio dessa língua que eles terão acesso ao conhecimento. Há um mito de que as crianças surdas que aprendem Libras ficam preguiçosas e não se esforçam para falar. Ter preguiça é uma prerrogativa de quem pode escolher. Não é por preguiça que os surdos não falam, mas sim porque têm dificuldade. Assim, ou aprendem a língua de sinais ou não se comunicam. É necessidade e não preguiça.

A família também deve aprender Libras?
Maria Cristina Sim. O melhor é que os pais também aprendam a língua de sinais porque é na interação com a família que os filhos vão se desenvolver, adquirir valores, cultura etc. Ter uma língua em comum é importante não apenas do ponto de vista da comunicação, mas também para o desenvolvimento intelectual, afetivo, emocional da criança. O ideal é que os pais enfrentem esse desafio, aprendam Libras e que as crianças aprendam a língua de sinais e também sejam expostas à Língua Portuguesa escrita.

Com que idade uma criança consegue aprender a língua de sinais?
Maria Cristina Vou responder com uma pergunta: uma mãe começa a falar com seu filho quando ele tem que idade? Desde antes de nascer, não é? Então, o ideal seria que, assim que a criança nascesse e fosse constatado que ela é surda, iniciasse a aquisição da língua de sinais. Quanto mais cedo, melhor. E, assim como acontece com a Língua Portuguesa em relação aos ouvintes, a língua de sinais deve ser ensinada como disciplina ao longo de toda a Educação Básica. Na rede municipal de São Paulo, por exemplo, elaboramos um currículo para alunos surdos com expectativas de aprendizagem em Libras que vão da Educação Infantil ao 9º ano do Ensino Fundamental.
Qual é a relação entre a língua de sinas e a Língua Portuguesa?
Maria Cristina As línguas de sinais se distinguem das línguas orais porque se utilizam do canal visual-espacial e não oral-auditivo. Porém, ambas possuem um léxico, isto é, um conjunto de símbolos convencionais, e uma gramática com um conjunto de regras que regula o uso desses símbolos. Primeiramente se dizia que a língua de sinais facilitava a aquisição da Língua Portuguesa. E eu perguntava: facilita como? Que ela tem um papel fundamental nessa aprendizagem não há dúvida. Mas como? Com o tempo e depois de muita pesquisa, compreendemos que é preciso mostrar aos alunos que aquilo que é expresso na língua de sinais também pode ser representado na Língua Portuguesa escrita. O professor precisa escrever o que as crianças estão comunicando por meio de sinais. Outra prática fundamental é a leitura feita pelo professor dos textos em língua de sinais. É essa leitura que possibilita a atribuição de sentido àquilo que está escrito no papel em português. Portanto, é necessário que a Língua Portuguesa seja o tempo todo apresentada e interpretada em Libras. Um trabalho de tradução mesmo. 

Quais são as condições básicas para se alfabetizar uma pessoa surda?
Maria Cristina O ponto de partida é a criança surda saber a língua de sinais. O ideal é que o professor também saiba a língua de sinais para que ele possa ser o mediador entre as duas línguas. No entanto, considerando que as crianças surdas podem estar em salas regulares com crianças ouvintes, serão necessários dois professores: o professor da sala (regente) e um professor especialista em surdez, que possa fazer o papel de mediador entre a língua de sinais e a Língua Portuguesa. Ter apenas o professor da sala trabalhando com um intérprete que não entenda de alfabetização não é suficiente no início da escolaridade.

Nesse caso, qual é o trabalho do intérprete na sala de aula?
Maria Cristina O intérprete só interpreta. É fundamental ele ter clareza do seu papel. Ele não pode ser confundido com o professor porque há o risco do aluno surdo não saber a quem recorrer. O professor da sala não pode se sentir isento da responsabilidade de ensinar os conteúdos ao aluno surdo. E o intérprete precisa garantir ao aluno surdo o acesso ao conteúdo que será trabalhado em Língua Portuguesa. Toda comunicação precisa ser feita em língua de sinais para a criança surda. 

Como deve ser o processo de alfabetização dos alunos surdos?
Maria Cristina Depende da concepção de alfabetização do educador e da instituição. Se o educador alfabetiza ouvintes com a cartilha, vai alfabetizar os surdos com a cartilha também. E eles vão se sair muito bem na decodificação. Mas o resultado não vai ser muito diferente do aprendizado da criança ouvinte: eles não vão entender o que estão lendo e também não vão conseguir escrever. Há grandes chances de todos eles se tornarem analfabetos funcionais. Agora, se a gente acredita que alfabetização e letramento estão juntos, é preciso inserir a criança surda nas práticas letradas. Do mesmo jeito que se faz com as crianças ouvintes. Só que, com as crianças ouvintes o que se busca é relacionar aquilo que está escrito com aquilo que se fala e ouve. Com os surdos é preciso relacionar o escrito com o que se mostra e vê, ou seja, as imagens, os movimentos, as expressões faciais e os sinais. É possível alfabetizar, mas insisto: na sala de aula com alunos ouvintes não é um único professor que vai dar conta. É preciso ter, junto com o professor da turma, um professor especialista que saiba a lingua de sinais.




Alfabetização do Aluno Surdo Português/Libras - Estratégias Adaptadas para o Ensino do Aluno Surdo

Achei interessante a maneira simples como abordaram este assunto em um post na internet e estou compartilhando, não sei quem é o autor, mas acredito que seja de grande valia para os meus amigos professores.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Sinais da Área da Saúde em Libras

Sinais da Área da Saúde em Libras
Para os Usuários da Libras deixo a dica de um Blog muito interessante, criado por Vânia Santiago, excelente profissional e uma das professoras mais queridas que já passou por minha vida, Vânia compartilha seus conhecimentos,  ela disponibiliza sinais voltados para a Área da Saúde.
Vale a pena conferir ...

http://librasesaude.blogspot.com.br